Cafeicultores de Castelo e Muqui conquistam 1º lugar em concurso de café especial

Cafeicultores de Castelo e Muqui conquistam 1º lugar em concurso de café especial
Redação Dia a Dia

Os cafeicultores Valdeir Dalcin Tomazini, de Castelo, e Luiz Cláudio de Souza, de Muqui, conquistaram o primeiro lugar no 2º Prêmio Cafés Especiais do Espírito Santo nas categorias Arábica e Conilon, respectivamente.

Os prêmios somam R$ 130 mil, divididos entre os vencedores das categorias Arábica e Conilon. Foram R$ 30 mil para os primeiros colocados, R$ 15 mil para os segundos e R$ 1o mil para os que conquistaram o terceiro lugar,

A cerimônia de premiação foi realizada nesta quinta-feira (16) em Linhares e foi transmitida ao vivo pelo canal do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) no YouTube.

Na categoria Arábica Valdeir obteve nota 89,93; Fabiano Tomazini Nalli, também de Castelo, conquistou o segundo lugar com nota 89,35; e Joselino Menegueti, de Brejetuba, ficou no terceiro lugar com nota 87,83.

Já na categoria Conilon Luiz Cláudio obteve nota 84,79; Ormindo Francisco Nandorf, de Santa Teresa, conquistou o segundo lugar com nota 86,46; e o terceiro lugar ficou com Adauto Orletti, de Pinheiros, com nota 83,86.

O Prêmio também contou com premiação extra no quesito Sustentabilidade, com valores de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 2 mil para os 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente.

Os campeões da categoria Arábica, em Sustentabilidade, foram: Estevão Denizar Douro, de Marechal Floriano, com nota 9,46; João Vithor Medeiros de Lacerda, de Dores do Rio Preto, com nota 9,38; e Genésio Tomaz Tomazini, de Castelo, com nota 9,31.

Na categoria Conilon de Sustentabilidade os vencedores foram: Leandro Barbosa Quadra, de Alegre, com nota 9,79; Adauto Orletti, de Pinheiros, com nota 9,56; e Jarlete da Penha Sotelle, de Santa Teresa, com nota 9,54.

A avaliação sensorial do café tem peso de 90% na pontuação final, enquanto a avaliação socioambiental tem peso de 10%, sendo a somatória dos critérios igual a 100 pontos.

São considerados vencedores os cafés cujas somatórias entre avaliação sensorial e avaliação dos critérios de sustentabilidade tiveram as maiores pontuações.

A premiação será paga em dinheiro, insumos ou equipamentos, no prazo que atenda a disponibilização de recursos por parte dos patrocinadores, conforme prevê o regulamento do Prêmio.

O governador do Estado, Renato Casagrande destacou que o governo está incentivando muito o trabalho de qualidade, investindo em pesquisa e beneficiamento do café, uma vez que o capixaba gosta muito de café e o Espírito Santo é primeiro lugar em quase todos os concursos de qualidade.

“É um ganho financeiro para o agricultor, gera renda e emprego, desenvolve o interior e o Estado também ganha com isso”, afirmou Casagrande.

O Prêmio Cafés Especiais do Espírito Santo é realizado pelo Incaper e pela Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), com o apoio da Fundação de Desenvolvimento e Inovação Agro Socioambiental do Espírito Santo (Fundagres Inovar) e da Prefeitura de Linhares. A premiação tem como objetivo o incentivo à produção de cafés especiais no Estado aliada à sustentabilidade.

 

Características dos cafés vencedores

Os cafés campeões apresentaram notas de mel, chocolate, frutas amarelas, doce de leite, pêssego, melaço, especiarias; e características como corpo baixo, corpo suave, entre outras.

A análise e classificação das amostras de arábica e conilon finalistas do Prêmio foi realizada pelo Centro de Cafés Especiais do Espírito Santo (CECAFES).

Os degustadores são profissionais de empresas e instituições parceiras do Incaper, com certificação Q-Grader e ampla experiência na prova de cafés.

São eles: Donieverson A. dos Santos, Tiago de Souza Alves, José Elias Alves Adão, Jamaica Ribeiro, Carlos Z. Altoé, Edevaldo C. Costalonga, Eduardo Pagio Melo, Rafael Marques, Rondinélio Sartori e João Paulo Pereira Marcarte.

Douglas Gonzaga, extensionista do Incaper e gestor técnico do Cecafes., ressaltou que o Prêmio Cafés Especiais do ES é a oportunidade de reunir o que há de melhor dos cafés arábica e conilon.

Pontuou ainda que o Espírito Santo possui cafés exóticos, de altíssima qualidade e complexidade que na mesa de prova se tornam uma verdadeira explosão de aromas e sabores.

“Essa premiação é uma oportunidade para celebrar tamanha riqueza e importância da cafeicultura capixaba, além de valorizar o trabalho de nossos cafeicultores e consolidar ainda mais nosso Estado como origem de um dos melhores cafés do mundo”, avalia.

 

Listagem dos vencedores:

Arábica Qualidade

1° lugar: Valdeir Dalcin Tomazini, de Castelo, com nota 89,93;

2° lugar: Fabiano Tomazini Nalli, de Castelo, com nota 89,35;

3° lugar: Joselino Menegueti, de Brejetuba, com nota 87,83.

Conilon Qualidade

1° lugar: Luiz Cláudio de Souza, de Muqui, com nota 84,79;

2° lugar: Ormindo Francisco Nandorf, de Santa Teresa, com nota 86,46;

3° lugar: Adauto Orletti, de Pinheiros, com nota 83,86.


Arábica Sustentabilidade

1° lugar: Estevão Denizar Douro, de Marechal Floriano, com nota 9,46;

2° lugar: João Vithor Medeiros de Lacerda, de Dores do Rio Preto, com nota 9,38;

3° lugar: Genésio Tomaz Tomazini, de Castelo, com nota 9,31.

Conilon Sustentabilidade

1° lugar: Leandro Barbosa Quadra, de Alegre, com nota 9,79;

2° lugar: Adauto Orletti, de Pinheiros, com nota 9,56;

3° lugar: Jarlete da Penha Sotelle, de Santa Teresa, com nota 9,54.

Ultimas Notícias
Ultimas Notícias