Foto ilustrativa: Pixabay

Economistas apostam no setor de serviços para o ano de 2021

Economistas apostam no setor de serviços para o ano de 2021

O setor de serviços, que inclui restaurantes, bares, hotéis, viagens, turismo e lazer, é a principal aposta de crescimento para economistas e consultores para o ano de 2021. O assunto foi discutido durante a reunião on-line do Grupo Permanente de Acompanhamento Empresarial do ES (GPAEES).

O encontro foi realizado na última quinta-feira (10). A economista-chefe da Rosenberg Associados e economista-sênior da LCA Consultores, Thais Zara; e o economista e consultor em economia Fernando Sampaio fizeram uma apresentação conjunta do balanço econômico e político de 2020, seguido das perspectivas e cenários para o Brasil e o mundo em 2021.

Sampaio lembrou que o país está saindo de 2020 muito diferente do que era esperado.

“Ao final de 2019, esperava-se um crescimento do PIB entre 2 e 2,5% em 2020, além da aceleração econômica. Por conta da pandemia e todos os impactos gerados, ao invés de crescer, temos uma contração estimada de mais de 4% para o PIB este ano”, ressaltou.

O economista observou, ainda, alguns fatores econômicos que surpreenderam em 2020: o crescimento da poupança e a inadimplência caindo ao menor nível dos últimos anos.

“Fatores como o auxílio emergencial, a falta de gastos com serviços como viagens, turismo e lazer, além da ação dos bancos para repactuar os créditos e adiar os vencimentos contribuíram para essa realidade”, explicou.

Mercado de trabalho

Thais Zara ressaltou que, do ponto de vista econômico, o impacto mais forte de toda a pandemia foi sobre o mercado de trabalho.

“A população ocupada, que estava em quase 94 milhões no início do ano, recuou para 80 milhões. A tendência é que em 2021 tenhamos uma retomada da geração de empregos, mas o cenário que tínhamos antes da pandemia só deve ser alcançado no final do ano que vem”, pontuou.

Os economistas apostam em um crescimento da economia para 2021 e apontam o setor de serviços, que inclui restaurantes, viagens, turismo e lazer, com recuperação mais acelerada – já que foram os mais reprimidos em 2020.

Economia mundial

Diretamente de Xangai, o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) – Banco dos Brics -, Marcos Troyjo, apontou tendências no mercado mundial que poderão auxiliar o empresariado a traçar estratégias em 2021. Ele pontuou um movimento de desglobalização há 12 anos e a importância dos países considerados emergentes.

“O PIB combinado – medido pelo poder de qualidade de compra – das economias do G7 é de US$ 40 trilhões, enquanto que dos sete países emergentes já ultrapassa a casa dos US$ 50 trilhões”, reforçou.

Troyjo acredita que nos próximos anos o fluxo de investimentos seja majoritamente por meio de acordos comerciais.

“Os tratados, como o Mercosul e o recente firmado na Ásia Pacífica, são muito importantes para o comércio internacional”.

Ele pontuou ainda sobre a importância das reformas estruturais internas nos países, visando o aumento da competitividade, e da retenção de talentos.

A reunião on-line foi finalizada pelo analista político da MCM e da LCA Consultores, Ricardo Ribeiro, que destacou que 2021 será um ano desafiador para o governo Bolsonaro, visto as incertezas no campo político, de saúde e econômico e, principalmente, com o término do auxilio emergencial.

“O melhor momento da popularidade pode ter passado e o fim do benefício pode acentuar esse viés de queda”, afirmou.

Entre para nosso clube de leitores DiaaDiaES.

Cadastre o seu email e acompanhe todo o nosso conteúdo, além de materiais exclusivos a assinantes.

Nos comprometemos a jamais enviar qualquer tipo de spam para sua caixa de entrada.

mersin escort bayan - escort eskişehir - Meritroyalbet - nakitbahis.club - Vippark - winyou.club -

Betexper

-
betsatech.com
- Betgaranti giriş - piabet.biz