20 de abril de 2021 11h03

Especialistas orientam produtores de Cachoeiro sobre uso de armas na propriedade

Preocupado com as mudanças na legislação a respeito da posse de arma de fogo e com o crescimento da insegurança no campo, o Sindicato Rural de Cachoeiro de Itapemirim convidou dois especialistas para orientar os produtores rurais sobre a possibilidade do cidadão se defender sem transgredir a lei.

Os especialistas convidados pelo sindicato são o advogado e instrutor, Renato de Souza Henriques e a psicóloga Alessandra Oliveira Henriques, ambos credenciados pela Polícia Federal.

“O sindicato tem responsabilidade com os produtores, que é dar segurança jurídica, saber se os produtores rurais estão atualizados com relação à legislação e qual é o tramite legal para se ter a posse de arma. Importante: nós estamos tratando de posse e não de porte de armas”, explicou o presidente do sindicato, Wesley Mendes.

Wesley ressaltou sobre o grave problema da falta de segurança que vive o homem do campo, com casos de roubos e invasões.

“Eu estou falando de roubo de toda espécie, desde invadir e assaltar a mão armada, a roubar gado, motor de bomba, ordenhadeira, tanque de leite, caminhonete. Praticamente tudo. Posso relatar pelo menos oito casos que tomei conhecimento só esse ano”, alertou.

O produtor rural Wilson Lesqueves apoiou a iniciativa do sindicato: “Com o que vem acontecendo no Brasil nós temos a obrigação de nos resguardar. Não existe mais lugar seguro. Qualquer propriedade é invadida e nós temos que ter maneiras de nos proteger para evitar o pior, mas sem transgredir a lei”, justificou.

A palestra foi realizada na tarde de segunda (18).

 

 

Ter arma é um direito, afirma especialista

 

Renato de Souza Henriques, que conversou com os produtores, ressaltou que ter arma de fogo é um direito do cidadão. “Nós nunca perdemos esse direito no Brasil. Por falta de divulgação, o brasileiro sempre achou que era proibido”, explicou.

Foto: Alessandro de Paula

Renato explicou que a legislação permite a posse de arma de fogo que dá direito ao cidadão fazer a segurança em sua propriedade privada – casa, fazenda, etc – e no seu local de trabalho.

Ele alerta, no entanto, que não existe legítima defesa em propriedade. “Você não pode usar a arma para evitar um roubo ou coisa semelhante. A arma só é permitida no Brasil para fazer legítima defesa da vida. É em caso extremo, só se for para defender a vida”, ressaltou.

Para ter uma arma é preciso seguir algumas regras, como ter mais de 25 anos, comprovar capacidade psicológica por meio de laudo de um psicólogo credenciado, capacidade técnica por meio de um instrutor e comprovar idoneidade com certidões específicas.

O instrutor explicou que estas exigências continuam valendo mesmo após decreto assinado pelo presidente Bolsonaro.

“Uma das mudanças é que antes, além de toda documentação, a pessoa precisava apresentar justificativa que gerava várias interpretações, podendo ou não ser empecilho. O que Bolsonaro fez foi colocar critérios objetivos para a efetiva necessidade da arma”, disse.

Em algumas situações até aumentou as exigências, como ter cofre ou local seguro com tranca em casas com crianças. Antes isso não era exigido.

mersin escort bayan - escort eskişehir - Meritroyalbet - nakitbahis.club - Vippark - winyou.club -

Betexper

-
betsatech.com
- Betgaranti giriş - piabet.biz