Pássaros silvestres libertados em Guaçuí. Foto: Semmam

Mais de 160 animais silvestres são libertados na região do Caparaó

Mais de 160 animais silvestres são libertados na região do Caparaó
Mais de 160 animais silvestres são libertados na região do Caparaó
Redação Dia a Dia

Mais de 160 aves silvestres foram devolvidas à natureza na manhã desta quarta-feira (27), na região do Caparaó do Espírito Santo, graças a uma parceria entre órgãos públicos de defesa do meio ambiente. A ação faz parte das ações de educação ambiental desenvolvidas em Guaçuí.

A soltura dos animais envolveu a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), o Centro de Reintrodução de Animais Selvagens (Cereais), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e a Polícia Militar Ambiental. Ao todo, 164 animais foram libertados.

Papagaios-chauá, espécie ameaçada de extinção. Foto: Semmam

As aves vieram do Cereias, em Aracruz, e foram levados até um viveiro de aclimatação, onde foram alimentadas e observadas, avaliando o possível estresse da viagem, sendo encaminhadas a uma mata fechada na área do Parque Ênio Fazolo dos Reis, em Guaçuí, quando foram soltas pela manhã.

Participaram da soltura o secretário municipal de Meio Ambiente de Guaçuí, Roberto Martins; o biólogo e coordenador do Cereias, José da Penha Rodrigues; um agente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o professor João Batista de Oliveira Gomes.

Aves silvestres vieram do Cereias. Foto: Semmam

Entre os animais silvestres soltos estavam trinca-ferros, canários, coleiros, bigodinhos, tico-ticos, sanhaços, melros, jandaias-estrela, periquitão-maracanã, jacupembas, tiê-sangue e papagaios-chauá, este último na lista de risco de extinção.

Todas as aves estavam devidamente marcadas por anilhas. Sobre todos os animais recolhidos consta um registro das informações, incluindo quantidade e sexo, além da produção de um registro fotográfico, filmagem que serão utilizados nas atividades de educação ambiental realizada pela Semmam.

Meio ambiente

De acordo com o coordenador do Cereias, cerca de 95% dos animais recepcionados pelo centro são provenientes das ações de recolhimento/apreensão dos órgãos de defesa do meio ambiente em várias partes do Estado, incluindo a região do Caparaó.

Os animais encaminhados ao Cereias passam por uma rigorosa avaliação veterinária, são medicados, tratados e, após recuperação, passam por uma nova avaliação com o biólogo José da Penha, que vai dizer se estão aptos ou não para a reintrodução na natureza.

Foto: Semmam

“A soltura de animais de volta à natureza tem como objetivo a proteção da fauna silvestre que tem sido ameaçada, principalmente, pelo desmatamento, queimadas, ocupação desordenada do solo, caça ilegal e tráfico de animais silvestres. Assim, o trabalho de educação ambiental é indispensável juntamente com outras ações preventivas”, informou o secretário Roberto Martins.

Nos últimos cinco anos, este projeto de parceria entre a Semmam e o Cereais devolveu à natureza 535 animais silvestres na região do Caparaó.

Ultimas Notícias
Ultimas Notícias