Persio Freitas é especialista em radioterapia do IRV. Foto: Julia Terayama

Médico do Espírito Santo explica câncer de pele de Marília Gabriela

Médico do Espírito Santo explica câncer de pele de Marília Gabriela
Médico do Espírito Santo explica câncer de pele de Marília Gabriela
Redação Dia a Dia

A apresentadora Marília Gabriela, de 72 anos, foi submetida a uma cirurgia na última segunda-feira (8), Dia Internacional da Mulher, para a retirada de um câncer de pele no nariz, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Ela contou em suas redes sociais que estava incomodada com uma espinha que havia aparecido na narina esquerda que não saía mais. Segundo a jornalista, o médico não gostou do que viu e pediu exames mais detalhados, que constataram o tumor.

Marília Gabriela foi operada para a retirada de um carcinoma basocelular. “Tenho um chumaço me entupindo o nariz e deve ficar assim até sexta-feira (12)”, conta.

 

Tipo mais comum

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer de pele não melanoma mais comum (75% dos casos) e menos agressivo. É constituído de células basais, comuns da pele, que se multiplicam de forma desordenada, originando o tumor.

“Esse câncer é encontrado frequentemente nas partes do corpo que ficam mais expostas ao sol, como face e pescoço. O nariz é a localização mais frequente, com cerca de 70% dos casos, mas também pode ocorrer na orelha, canto interno do olho e outras partes do rosto”, afirma Persio Freitas, especialista em radioterapia.

De acordo com o médico do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), quando o tumor é retirado precocemente, as chances de cura são altas. O diagnóstico é feito por meio de avaliação clínica e biópsia.

Na maioria dos casos, a cirurgia é o tratamento mais adequado. Mas a radioterapia pode ser utilizada como complemento em tumores mais agressivos, ou que se espalharam para os gânglios linfáticos.

 

Risco do sol

Pessoas que tomaram muito sol ao longo da vida sem usar o filtro solar têm o risco aumentado para câncer de pele do tipo carcinoma basocelular.

“Tomar sol sem proteção adequada agride a pele, causando alterações celulares que podem levar ao câncer. Quanto mais queimaduras solares a pessoa sofreu durante a vida, maior é o risco de desenvolver esse tipo de tumor”, explica o médico.

Marília Gabriela tranquilizou os fãs e ainda mandou um recado para as pessoas que insistem em não usar o protetor solar.

“Um conselho a dar: usem protetor solar, de preferência até dentro de casa, sempre. Como disse meu cirurgião quando argumentei que tomei sol pra valer e sem protetor ‘só’ na adolescência: ‘Não importa, tomou sol uma vez, na idade que for, é pra sempre’. Anotado e passado pra frente”, disse a jornalista.

 

Sobre o IRV

Fundado em 2005, o Instituto de Radioterapia Vitória (IRV) é a única clínica privada do Espírito Santo para o tratamento de câncer por meio deste serviço. Funciona nas dependências do Vitória Apart Hospital, na Serra.

Ultimas Notícias