Os benefícios físicos e psicológicos da meditação

Os benefícios físicos e psicológicos da meditação
Os benefícios físicos e psicológicos da meditação
Júlia Sartório de Sá

Originada nas filosofias do oriente, a meditação é uma prática muito antiga e conhecida por diversos povos e culturas ao redor do mundo. Entretanto, apenas na década de 60 observou-se um maior interesse pela ciência entre a população ocidental. A partir de então, a meditação deixou de ser uma prática puramente religiosa e pôde ser reconhecida mundialmente pelos seus benefícios psicológicos e físicos.

Através das pesquisas, os cientistas observaram que a pessoa que medita regularmente treina a capacidade de prestar atenção e possibilita mantê-la por mais tempo sem se dispersar. Além disso, desenvolve a habilidade de captar sutis manifestações no ambiente e consequentemente adquirir uma relação de maior empatia, pois permite apurar a capacidade de captar as mensagens e necessidades das outras pessoas.

Mudanças cerebrais podem ser vistas em exames de neuroimagem, como o aumento da neuroplasticidade, da densidade de substância cinzenta e da atividade nas áreas atencionais, que permitem a melhora do bem-estar, da capacidade de adaptação e da forma de lidar com emoções e memória. Em razão desses e outros benefícios psicológicos é possível amenizar problemas contemporâneos como estresse, ansiedade, depressão e demências.

E não exclusivamente mentais. Os benefícios da meditação possuem grandes contribuições para a saúde física e redução de doenças crônicas cardiovasculares, metabólicas, gastrointestinais, reprodutivas, infecciosas e reumáticas, tais como diabetes tipo 2, úlcera, colite, abortos espontâneos, herpes labial e lúpus.

O fato da saúde psicológica colaborar tanto com a saúde física está associado ao fato da primeira estar intimamente ligada ao nosso funcionamento orgânico. Programas em Harvard e na Universidade de Massachussetts, por exemplo, comprovam o sucesso da meditação em centenas de hipertensos e pessoas que também sofrem com a fibromialgia e câncer podem obter mudanças positivas sem a necessidade de um programa longo de treinamento e custos elevados.

Na área da saúde em geral, principalmente no Sistema Único de Saúde (SUS), há sobrecarga de paciente com doenças crônicas que necessitam de tratamentos longos, consultas recorrentes e medicamentos caros. Entretanto, apesar dos esforços para tratá-las, o tratamento convencional costuma gerar muitas dificuldades e insatisfações, visto que, na maioria das vezes, as medidas são paliativas e não atingem a causa principal. Isso nos mostra a importância de buscar práticas que fortaleçam a saúde e não apenas atue na remediação do problema e a meditação apresenta-se como uma opção de significativa eficácia para melhoraria da saúde.

BAUER, Moisés E. B. Estresse como ele abala as defesas do corpo. Ciência Hoje, Instituto de Pesquisas Biomédicas e Faculdade de Biociências, Universidade Católica do Rio Grande do Sul, v. 30, n. 179, p. 20-25, jan./fev. 2002.
GOLEMAN, Daniel. A Arte da Meditação. Rio de Janeiro: Sextante, 1999.
MENEZES, Carolina B.; DELL’AGLIO, Débora D. Os efeitos da meditação à luz da investigação científica em Psicologia: revisão de literatura. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 29, n. 2, p. 276-289, jun. 2009.
SILVA, Juliana D. T. da; MÜLLER, Marisa C. Uma integração teórica entre psicossomática, stress e doenças crônicas de pele. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 2, p. 247-256, abr./ jun. 2007.
OLIVEIRA; Bianca de Franco. Meditação e neurociência: uma revisão narrativa. Brasília. 2019

Júlia Sartório é psicóloga clínica, especializada em Gestalt-Terapia. Instrutora de Tai Chi Chuan e Meditação, assim como poeta nas horas vagas
Ultimas Notícias
Ultimas Notícias
Cultura

A arara azul

mersin escort bayan - escort eskişehir - Meritroyalbet - nakitbahis.club - Vippark - winyou.club -

Betexper

-
betsatech.com
- Betgaranti giriş - piabet.biz -

grandbetting güvenilir mi