qua 24/julho/2024 12:18
Pesquisar
Close this search box.
Capa
Geral
Cachoeiro
Política
Oportunidade
Saúde
Educação
Economia
Agro
Segurança
Turismo
Esporte
DiaaDiaTV
Publ. Legal
Mundo Pet
Cultura

Para ser lido, leia-se

olivia-15-08-2023
Olivia Batista de Avelar

Há um abismo que separa o ego ferido de um coração partido. As frestas abertas num peito dolorido sopram melancólicas e agudas. Respirar dói, não há forças para o drama, o ultraje, a acusação. O ego, por outro lado, é barulhento e escandaloso. Verte lágrimas, soluços, pede perdão de joelhos. Ou, nos mais terapeutizados, cospe racionalizações feito pérolas. Lições, livramentos. Nenhuma emoção passa sem o escrutínio do intelecto. O primeiro, sente. O segundo, ressente, ofende-se, melindra-se, explica-se. Não se explica o sentir. Não é algo sobre o que se deve dar satisfações.

É preciso coragem para sofrer. Também, certa dose de altivez. O mais comum é mimetizar, tanto o fundo do poço, quanto a catarse assistida. A triunfante volta por cima. A superação de algo, ou alguém que, se partiu, melhor que tenha sido assim. Camadas e mais camadas. No fundo, no fundo, tudo raso, tristemente, raso.

Qual escrita pode nascer de uma personalidade incapaz de se enfrentar, de sofrer? Por que tantos autores buscam lá fora, nas modas e tendências, sobre o que deveriam escrever? Por que, antes da primeira frase, buscam confirmação e validação externas do que ainda não criaram? Que demanda almejam suprir? Que olhos pretendem encantar, com seus escritos prétestados? Não entendo, não entendo…

Não pretendo exaltar o sofrimento, apenas respeito o confronto sincero. Reviver os fantasmas, convidá-los para dançar. Plantar nas páginas, para que floresçam, as sementes do que só conhecemos como espinhos. Também nos convém o avesso, pois quando amamos o que viceja, intencionamos que, pela escrita, tal efemeridade se imortalize, já que na carne será, como tudo é, passageira.

Resquícios de uma tarde ensolarada de junho. Um pensamento e outro entre a dúvida/espera de que o clima se mantenha mais ameno, com ventos vespertinos anunciando o breve e valioso inverno tropical. Quando pensamos a escrita, precisamos nos ancorar na realidade, enquanto perscrutamos as possibilidades, os longínquos portos da auto ficção. Nem sempre, temos algo a dizer. Algo que valha à pena. Porém, se nos propomos tal feita que a aceitemos por inteiro. Sem ressalvas. Sem escusas. Na vaporosa era regida pela economia da atenção, respeitemos tanto a nós mesmos, quanto aos olhos que, por ventura, nos leiam.

Olivia Batista de Avelar. Escritora membro da Academia Cachoeirense de Letras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

prouni-23-07-2024

Inscrições abertas para o Prouni, com mais de 243 mil bolsas em faculdades

celular4

Governo do ES vai notificar celulares roubados por mensagens via Whatsapp

gabriel-e-sua-mae-23-07-2024

Adolescente de Marataízes com paralisia cerebral emociona a internet ao cantar em missa

ifes-cachoeiro-22-07-2024

Inscrições prorrogadas para concurso de professor do Ifes

miss universe universo es leticia guarapari 2024-22-07-2024

Veterinária de Guarapari é a Miss Universe Espírito Santo 2024

BPM

PM prende dois homens por ameaçar moradores em Alegre

mulheres-lendo-preto-e-branco-20-07-2024b

“Clube das dondocas”, será?

casa-madeira-area-verde-20-07-2024

Dois poemas III

Leia mais