Foto: Gustavo Louzada

Quilombolas de Graúna e Monte Alegre farão experiência de cinema de grupo

Quilombolas de Graúna e Monte Alegre farão experiência de cinema de grupo
Redação Dia a Dia

 

Os moradores das comunidades quilombolas de Graúna, em Itapemirim, e Monte Alegre, em Cachoeiro, participarão do Cine Quilombola, que estimula o cinema de grupo e realizará oficinas audiovisuais nos municípios de Cachoeiro de Itapemirim e Itapemirim, no sul do Espírito Santo.

O mesmo trabalho já foi desenvolvido pela equipe de cinema em Vargem Alta e Presidente Kennedy. A ideia é reunir moradores para a criação coletiva de um curta-metragem por território.

Cada lugar construirá seu filme-carta que dialogará com outras comunidades em uma espécie de intercâmbio e correspondência audiovisual.

A ação foi contemplada pelo edital de Projetos Culturais Setoriais de  Audiovisual no Estado do Espírito Santo (009/2020).

A realização é do Instituto Marlin Azul com recursos do Funcultura através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) do Governo do Espírito Santo.

A iniciativa conta com o apoio da Coordenação Nacional de Articulações das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) e da Coordenação Estadual de Comunidades Quilombolas do Espírito Santo.

O ponto de partida da oficina será uma roda de conversa com participantes de todas as idades. Em seguida, a partir de dispositivos propostos pela equipe do projeto, os moradores irão captar imagens e sons do cotidiano das comunidades, identificando narrativas ligadas a saberes tradicionais, personalidades, histórias, paisagens, memórias pessoais e coletivas.

Na segunda etapa, ainda este ano, o Cine Quilombola apresentará os resultados em um telão montado ao ar livre nas quatro comunidades participantes.

As sessões de lançamento contarão com uma seleção de ficções e documentários quilombolas de diversos estados. As noites de cinema ao ar livre também serão compostas por manifestações populares marcantes de cada localidade.

O objetivo é valorizar as identidades, a pluralidade e a diversidade cultural quilombola, dando visibilidade aos modos de ser e às práticas tradicionais, promovendo o registro, o intercâmbio de saberes e a difusão do cinema negro quilombola nas comunidades.

 

 

SAIBA MAIS

– A Comunidade de Graúna, em Itapemirim, participará da vivência de 16 a 18 de junho, marcando a terceira oficina do projeto.

– Em seguida, de 20 a 22 de junho, os quilombolas da Comunidade Monte Alegre viverão a experiência de realização audiovisual, dentro da quarta oficina do projeto.

– A primeira oficina aconteceu na Comunidade de Pedra Branca, em Vargem Alta, no período de 29 de abril a 1º de maio.

– Já a segunda oficina mobilizou as comunidades quilombolas de Cacimbinhas e de Boa Esperança, em Presidente Kennedy, entre os dias 03 e 05 de maio.

– O Instituto Marlim Azul foi criado em 1999 e é uma organização não governamental que desenvolve ações culturais comprometidas com a arte, a educação e o desenvolvimento social através da democratização do acesso à formação, produção e difusão audiovisuais.

– 00Dentre os projetos executados pela entidade estão o Projeto Animação, o Revelando os Brasis, o Curta Vitória a Minas e os Griôs de Goiabeiras. Conheça mais sobre os projetos através do site https://imacultural.org.br/