qui 19/maio/2022 16:43
Um dos varios mirantes da Serra do Caramba. Foto Viagens e Caminhos

Sobre Homens e Montanhas: A Serra do Caramba

Sobre Homens e Montanhas: A Serra do Caramba
Marcio do Nascimento Santana
A enigmática Serra do Caramba. Foto divulgação.

Então vamos sair para caminhar, o topo das montanhas conquistar, há tantas paisagens lindas para se avistar, respirar o ar puro e relaxar…

Milca Rabelo

 

A Serra do Caramba, ou Pedra das Antas, é um gigante de granito natural que se ergue aproximadamente a 700 metros de altitude, localizado no Bairro São Geraldo em Cachoeiro de Itapemirim, com um incrível  visual de 360 graus em seu cume.  O que o torna um magnifico mirante que possibilita o aventureiro mais ousado contemplar   todo nosso litoral, a cidade de Cachoeiro e todas as grandes montanhas a sua volta, inclusive o pico do Forno Grande. Uma montanha envolta em mistérios e segredos, por isso convido o leitor a conhecer alguns deles.

Origem do nome e incêndio

Tudo começou no ano de 1876,com o nascimento do senhor  Sebastião Venceslau, na cidade de Matias Barbosa, Minas Gerais, filhos de escravos, veio sozinho  para Cachoeiro por volta do ano de 1888,logo após a abolição da escravidão no Brasil, aos 12 anos de idade, onde se instalou no Sitio Santa Fé, atual Bairro São Geraldo. Ao chegar foi trabalhar para a família Speroto, onde ajudava na lavoura de café e banana. Por ter o habito de caçar no seu tempo livre, escalou a montanha que mais tarde viera chamar de lar, uma vez que em seu cume encontrou uma nascente. Era um homem afável e de incrível vigor físico, ele se casou (na realidade duas vezes) e assim no topo da Pedra das Antas ele fixou sua residência, onde viveu por muitos anos, e mesmo após um incêndio que consumiu a sua casa por completo, ele não desistiu construiu tudo de novo e recomeçou. A causa do incêndio? Foi descuido, ele saiu para buscar lenha na mata para manter o fogo aceso, quando voltou sua casa tinha sido consumida pelas chamas.

Por seu vocabulário coloquial, era muito comum ele proferir a palavra Caramba, que pela língua portuguesa seria uma expressão de surpresa, susto, descontentamento, raiva, admiração. Ou seja uma palavra com multifuncionalidades no nosso vocabulário.

Uma das raríssimas fotos do Senhor Venceslau. Foto arquivo de família.

Logo em homenagem ao senhor Venceslau, essa  montanha tão querida pelos cachoeirenses, foi batizada com a expressão que ele mais utilizava. E era muito comum, de acordo com a Historia Oral de alguns moradores do Bairro São Geraldo o chamarem de Seu Caramba. Ele teve três filhos no primeiro casamento , são eles o senhor Colodino, dona Maria Rosa e dona Luzia.  Todos infelizmente já faleceram. Já no segundo casamento, com a senhora Filisminda, que veio a  falecer aos 85 anos em 1981, teve uma única filha, a senhora Antônia, que antes de falecer em 1979, deu um neto ao senhor Venceslau, chamado de Tibino. O  senhor Sebastião Venceslau morreu aos 115 anos, em 1978.

Jeronimo Ribeiro e Cemitério da Colina

E em 1918 aos pês da Serra do Caramba, outro importantíssimo evento histórico de nossa cidade estava tomando forma, um dos primeiros Asilos do Espirito Santo, se erguia, fundado pelo professor de origem portuguesa e divulgador da Doutrina Espirita, Jeronimo Ribeiro. Ele veio a fundar o Asilo Deus, Cristo e Caridade, uma casa de repouso e tratamento de idosos, deficientes físicos e mentais, que chegou a ter em seu auge, entre doentes e funcionários, mais de 200 pessoas em suas dependências, um numero impressionante para aquela época. Jeronimo Ribeiro revolucionou o tratamento medico nesse momento Histórico de Cachoeiro. Ele possuía apoio do Prefeito Municipal Antônio Fernandes de Medeiros e do Governador do Estado Nestor Gomes.

Um dos poucos túmulos que ainda estão de pé. Foto arquivo pessoal

Jeronimo Ribeiro em 1922 por conta do numero de óbitos de sua obra, fundou o cemitério do asilo. Um cemitério hoje que possui uma enorme vocação arqueológica e que se encontra em uma colina nas proximidades do asilo e em meio a mata. E que embora desativado os poucos túmulos restantes ainda estão de pé. Tal fato torna a a Serra do Caramba uma montanha muito mais especial para a nossa cidade de Cachoeiro de Itapemirim. Uma montanha que ocultas segredos e testemunha de forma  silenciosa a nossa historia. O senhor Venceslau e Jeronimo Ribeiro foram contemporâneos e possivelmente se conheciam.

 

Vias de Escalada

A Serra do Caramba em seu entorno, ou seja nos picos adjacentes, ao seu majestoso trono, possui varias Vias  de escalada e rapel, entre elas a Via da Chaminé Ludario, no conjunto de rochas conhecido como Calvário e a Via  UNICERJ (em homenagem à União de Caminhantes e Escaladores do Rio de Janeiro, clube de excursionismo carioca que conquistou a pedra), conquistada em 1988, na Pedra de Santa Tereza, anexa a  Pedra do Índio. São vias de alto grau de dificuldade técnica, atraindo escaladores de todas as partes do Brasil. Inclusive a via  UNICERJ possui dificuldades iguais ou ate mesmo mais desafiantes que o Pico do Itabira.

Pedra do Índio e em anexo a Pedra de Santa Teresa. onde fica localizada a via UNICERJ. Foto divulgação.

Serra do Caramba Turismo e Religiosidade

Além da pratica de escalada a Serra do Caramba é propicia a outros tipos de esportes radicais, entre eles o Hikking, o Trekking, o Mountain Bike, Rapel e o Camping. Sim caro leitor, seu cume permite acampar e admirar as estrelas.

Atualmente no alto da montanha, há uma imagem do Cristo Redentor e também uma capelinha em homenagem à Nossa Senhora da Penha. E no dia 5 de dezembro de 2020, foi organizada pela Paróquia Santíssimo Sacramento da Eucaristia, do bairro Paraiso, uma caminhada que reuniu cerca de 20 jovens, e ao final foi celebrada a primeira missa, que  foi conduzida pelo pároco Arlindo Toneta, com 70 anos de idade, que mostrou disposição, sendo um dos primeiros a chegar ao topo.

Pároco Arlindo Toneta no cume da Pedra das Antas. Foto Divulgação

APA e a legislação

A  Serra do Caramba se tornou uma montanha icônica no Estado, e necessita ser protegida, devido aos inúmeros segredos e enigmas que ela guarda. Porem temos uma legislação escassa em torno dessa montanha. Vejamos:

Está em tramitação na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 477/2021, que propõe a criação da Rota do Caramba, por ser um dos principais atrativos turísticos do município. O autor da proposta é o deputado estadual Dr. Emílio Mameri, que recebeu a solicitação de  um grupo de moradores da Comunidade Alto São Geraldo.

E em Cachoeiro existe a lei municipal de   numero 5484 de 2003, que prevê a proteção de áreas como a da Serra do Caramba.

Diante de tão pouca proteção, eis que surge um visionário em Cachoeiro, o presidente da ONG Caminhadas e Trilhas, o senhor João Madureira que esta mobilizando a sociedade cachoeirense e também de outros municípios para a criação da APA Serra do Caramba, dando um importante passo para o conservacionismo e ecoturismo daquela região, o que colocaria Cachoeiro em uma posição respeitável dentre os demais municípios de nossa região, pois essa seria a quarta unidade de conservação criada em nosso município. As outras três são o Monumento Natural do Itabira, a Floresta nacional de Pacotuba e a Reserva de Cafundó.

E o que seria uma APA? O leitor pode me perguntar.

APA seria a sigla de Áreas de Proteção Ambiental e que  são locais, por seu relevo privilegiado, sustentam uma diversidade biológica considerável e que garante  a sustentabilidade da utilização dos recursos naturais, com a intenção ambiental de preservar a paisagem, a biodiversidade, os recursos hídricos, o equilíbrio geológico, favorecer a evolução da flora e fauna.

É uma unidade de conservação e que permite a ocupação humana. Estas unidades existem para conciliar essa ocupação da área e o uso sustentável dos seus recursos naturais. A ideia, e direcionar toda e qualquer atividade sustentável a ser realizada na área, inclusive o ecoturismo responsavel.

Conclusão

A Serra do Caramba e uma montanha única, uma vez que suas características geológicas se assemelham a um Tepui, ou seja uma montanha mesa, uma espécie de formação geológica muito comum na Amazônia. O Monte Roraima seria o melhor exemplo para o leitor entender.

É uma montanha de fácil acesso e o cume pode ser facilmente alcançado atraves de uma simples caminhada de nível  médio de dificuldade, são ao todo quase 8 km de percurso entre subida e descida, e além de tudo que já foi mencionado também e possível entre os varios fragmentos de mata encontrar poucas nascentes que ainda sobrevivem bravamente ao desmatamento e a degradação. Inclusive esses fragmentos de matas que restam sofrem muito com efeito de borda, além de não termos efetivamente nenhum corredor ecológico naquele local.

A Serra do Caramba é um patrimônio natural, muito amada por nos cachoeirenses e que vale a pena ser protegida, para o bem de nossas futuras gerações. Fica o meu apelo a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, e ao Ministério Publico Estadual que façam esse sonho se tornar realidade.

Para frente e para o alto;

Montanha Brasil.

 

Marcio do Nascimento Santana, Historiador com formação em Arqueologia, Montanhista e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Cachoeiro de Itapemirim
Ultimas Notícias
%d blogueiros gostam disto: