O misterioso Monte Musiné, berço de tradições e lendas

Sobre homens e montanhas: Monte Musiné, entre lendas e tradições

Sobre homens e montanhas: Monte Musiné, entre lendas e tradições
Marcio do Nascimento Santana

As dificuldades são como as montanhas. Elas só se aplainam quando avançamos sobre elas. Provérbio japonês

O Monte Musiné é um vulcão adormecido que se ergue a 1.150 metros de altitude e que fica localizado na cordilheira dos Alpes Graian, e em sua base encontra-se a cidade de Turim. É uma montanha de fácil acesso, propícia para atividades como hikking, trekking e montanhismo, além de possuir algumas trilhas para Mountain Bike. A melhor época do ano para conhecer essa montanha seria no inicio do verão, onde ela se torna um destino turístico quase que obrigatório para os atletas profissionais e montanhistas esporádicos.

O monte Musiné é uma testemunha silenciosa de parte da História da Humanidade e também da Itália, sempre envolta em mistérios e lendas. Ela se consolidou como a montanha mais misteriosa da Itália e uma das mais misteriosas do mundo. Confiram a seguir:

 

Os Celtas

A sua formação geológica vem desde o período Neolitico, onde ela fora habitada por tribos Celtas, por achados arqueológicos que datam do final da Idade do Bronze. Esse povo e conhecido até hoje por seus rituais de magia e esoterismo. Consolidando ainda mais a fama esotérica da montanha.

 

Rochedo Celta e suas intrigantes inscrições. Foto divulgação

 

Rei Herodes

Lendas narram que Musiné foi o lar do exílio temporário do infame rei da Judéia, Herodes, o Louco. Ele teria se refugiado por volta de 3 A.C (Antes de Cristo), em expiação ao massacre, que ele impôs aos inocentes, segundo o Evangelho de São Mateus, antes de retornar a Jericó (Cisjordânia ), onde ele morreu.

 

Rei Herodes

 

A Batalha de Turim

Em 312 D.C (depois de Cristo), Turim se chamava, Augusta dos Taurinos, e foi palco de uma sangrenta batalha entre o Imperador Constantino e o seu rival, Maxentius.

Durante a batalha, o Imperador Constantino, nas encostas da montanha, teve uma visão, viu uma cruz em chamas e as palavras In hoc signo vinces” (com este sinal da cruz, você ganhará) e assim aconteceu, o imperador ganhou.

A batalha foi historicamente importante porque com esta vitória o imperador Constantino, o Grande, foi capaz de impor a religião cristã no Império Romano e eliminar o paganismo.

A cruz de Constantino. Foto divulgação

 

Para celebrar a vitória de Constantino e sua conversão definitiva ao cristianismo, foi erguida no dia 10 de novembro ano de 1901 uma cruz de 15 metros no topo do Monte Musiné.

 

Mistérios e lendas

 

Vegetação

A vegetação dessa montanha é linda e exuberante em sua base, porém se torna abruptamente esparsa próximo ao seu cume. Por muitos anos profissionais das mais diversas áreas tentam exaustivas intervenções de reflorestamento, mas sem sucesso. Toda vegetação acima de 850 metros de altitude acaba morrendo, fazendo do cume da montanha uma área estéril. Um monte “calvo”. A terra segundo pesquisas é fertil, mas nao encontraram nenhuma explicação que explicasse tal fenômeno.

Luzes

Os primeiros relatos de luzes estranhas datam de 960 DC. onde eles narram a historia do bispo Amicone que abençoou (consagrou) uma igreja de San Michele em Val Susa, no sopé da montanha, onde as pessoas puderam assistir a um espetáculo fascinante no firmamento, bolas de fogo caíram do céu noturno como se estivesse em chamas, iluminando toda área da montanha e também da Igreja.

OVNIS

Em 02 de dezembro de 1973, a tripulação e os passageiros de um avião comercial, testemunharam estranhas esferas brilhantes atravessando os céus sobre o Monte Musiné. O avistamento causou espanto e pânico nos passageiros. E nada apos o encontro foi constatado.

Em 1978 dois jovens caminhantes, avistaram uma luz estranha e intensa próximo ao cume, quando um deles resolveu sozinho investigar a luz estranha, ela simplesmente desapareceu, e o nosso corajoso jovem também. Fizeram buscas e quando encontraram o jovem ele estava ferido e em estado de choque, balbuciando coisas sem nexo, e com uma enorme queimadura na perna.

Há relatos de moradores locais até hoje vendo luzes no céu e tochas estranhas perto da montanha.

A Placa

Em 1973, uma misteriosa placa de metal apareceu no topo do Musiné, com a seguinte inscrição:

“Aqui está a última antena dos sete pontos eletrodinâmicos, de onde respira toda a terra brilhante… E então havia uma enumeração de todos os “seres mágicos” que trabalham na montanha, como Jesus, Maomé, Buda, Confúcio, Gandhi etc. Além disso, a seguinte frase foi escrita neste registro: “Pense bem sobre isso, pensamento é construção”.

Cinco anos depois do aparecimento dessa placa misteriosa, ela simplesmente desapareceu sem deixar vestígios. Em 7 de outubro de 1984, um grupo de esoteristas colocou uma cópia dela ao pé da cruz do cume.

Replica da placa original.Foto divulgação

Fica a pergunta: O que essa placa significa? Quem a colocou ali, e para que?

 

Magos e Lobisomens

As tradições do vale narram que em uma caverna localizada no coração do Musiné viveria um mágico que se escondera para realizar suas experiências sem ser perturbado com os instrumentos remanescentes da mítica cidade de Rama. E existem relatos de lobisomens…Se é verdade cabe o leitor decidir.

 

Conclusão:

Monte Musiné tem estado no centro de crenças, superstições, cultos, avistamentos de OVNIs por muitos anos. O fato de ter sido adotado como ponto de encontro dos ocultistas da região criou uma grande confusão sobre as origens de suas tradições, e nem sempre é fácil distinguir o que tem valor real das mistificações.

Ainda não está claro por que tantas lendas floresceram em torno dessa montanha como uma sentinela cansada ela segue eternamente vigilante acolhendo a cidade de Turim e seus cidadãos em seu colo. E silenciosamente observa a todos.

Para frente e para o alto:

Montanha Brasil.

Para saber mais:

 

Marcio do Nascimento Santana, Historiador com formação em Arqueologia, Montanhista e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Cachoeiro de Itapemirim
Ultimas Notícias
Ultimas Notícias