qui 19/maio/2022 15:37
Mark Wellman, um cadeirante desafiando os paredões da El Capitan. Foto: Divulgação

Sobre Homens e Montanhas: O amputado, o cadeirante e o cego.

Sobre Homens e Montanhas: O amputado, o cadeirante e o cego.
Marcio do Nascimento Santana
Determinação: Alpinista cego chega ao topo do Monte Everest
O cego Erik Weihenmayer no topo do Evereste. Um grande exemplos de superação. E você reclama de que mesmo? Foto divulgação.

 

Nas montanhas da verdade, você nunca pode escalar em vão: ou você alcançará um ponto mais alto hoje ou estará treinando seus poderes para poder escalar mais alto amanhã.

Friedrich Nietzsche

 

Por que você reclama? Por algo que não vai bem no trabalho? Por ter sofrido alguma injustiça? Por ter brigado com sua esposa? Por uma comida mal feita?

Então pare imediatamente de reclamar e agradeça… A vida de todas as pessoas estão a cada dia mais cheias de problemas, e a grande maioria ao invés de lutar para se superar, simplesmente se sentam e se afundam em um poço de autopiedade e se tornam vítimas de suas próprias atitudes negativas, e o pior não conseguem muita das vezes agradecer por ter os meios para resolver os problemas  e simplesmente os ignoram. E como nos sabemos, muita vezes a grande  diferença para a superação está em como você reage a esses problemas. E vou mais além, e se você fosse um amputado? ou um cadeirante? e ate mesmo cego? Você teria força para se levantar e se superar?

Nossas vidas estão  repletas de histórias de superação, e nesse texto destaco com muito orgulho três grandes alpinistas que viram na Montanha, motivos para continuar a viver e melhor ainda, vivem suas vidas servindo de inspiração para muitos. Três grandes guerreiros das alturas que farão você refletir se realmente vale a pena se queixar e talvez te incentive a mudar sua atitude diante de determinadas situações, que pode ser o diferencial entre vencer ou perder na vida.

Com vocês a história do Amputado, do Cadeirante e do Cego:

 

O Amputado

Hugh Herr, nascido em Lancaster, na Pennsylvania,  em 25 de outubro de 1964, é um montanhista e pesquisador de destaque nos campos da Biofísica, Engenharia Mecânica e Física. Em janeiro de 1982, depois de ter subido uma difícil rota técnica de gelo em Huntington Ravine no Monte Washington , Herr e seu parceiro Jeff Batzer foram pegos de surpresa por uma nevasca violenta que os levaram a ficar desorientados e por esse motivo ficaram presos na montanha onde passaram três noites em temperaturas que chegavam aos 20 graus negativos. No momento em que foram resgatados, os alpinistas  apresentaram lesões graves em decorrência da exposição ao frios e infelizmente  as pernas de Herr tiveram que ser amputadas logo abaixo dos joelhos. E seu amigo Batzer perdeu a parte inferior da perna esquerda , os dedos do pé direito e o polegar da mão direita. O local que eles estavam era tão inóspito que durante a tentativa de resgate, o voluntário Albert Dow foi morto por uma avalanche.

Hugh Herr em uma espetacular performance, com suas próteses especiais. Desafiando gigantes. Foto: Divulgação

Após meses de cirurgia e reabilitação , Herr estava novamente escalando, mas dessa vez com o uso de próteses que ele mesmo projetou, criando pés protéticos com alta rigidez nos dedos que o possibilitavam ficar em pequenas bordas de rochas da largura de uma moeda. Ele usou essas próteses para alterar sua altura para evitar posições corporais desajeitadas e também para melhorar seu desempenho para alcançar agarras que poderiam estar fora de alcance caso estivesse com sua altura normal.

Herr utilizando próteses mais avançadas para aumentar sua altura e seu desempenho. Foto: Divulgação.

Como resultado do uso das próteses, Herr subiu em um nível mais avançado do que antes do acidente, tornando-se a primeira pessoa com uma grande amputação a se apresentar em um esporte no nível de elite e pessoas aptas. E hoje utiliza seus conhecimentos para melhorar ainda mais as vidas das pessoas com deficiência física

 

O Cadeirante

Mark Wellman  é montanhista desde os 12 anos e já escalou mais de 50 picos da Serra Nevada, e também já escalou nos Alpes franceses. É um alpinista paraolímpico e palestrante motivacional , que é mais conhecido por sua escalada de 1989 ao topo da El Capitan no Parque Nacional de Yosemite. Ele se tornou o primeiro paraplégico no mundo a realizar essa façanha. Levou seis dias para atingir o cume junto com seu parceiro Mike Corbett . Ele apareceu na TV em cadeia  nacional falando sobre sua ascensão e também sobre seu livro auto biográfico chamado , Climbing Back.

Mark Wellman em sua cadeira de rodas, rumos as alturas. Foto: Divulgação.
Um acidente bizarro em sua descida do pico Seven Gables no John Muir Wilderness o deixou paralisado da cintura para baixo, ao cair de uma altura de cerca de 30 metros, ferindo seriamente a coluna em 1982 aos 21 anos de idade, deixando-o paraplégico . Porém, mesmo diante de tamanha adversidade ele continuou escalando, e se dedicou ainda mais a atividade física para  se fortalecer ainda mais, como forma de compensar a perda das suas pernas se tornando uma referência nacional e também consultor técnico para escaladas adaptadas.

Com equipamento adaptado, Wellman prestes a conquistar a El Capitan. Foto: Divulgação.

Wellman  teve a honra de acender a pira olímpica na abertura  dos Jogos Paraolímpicos de Verão de 1966 em Atlanta depois de carregar a tocha em chamas por uma corda de 120 pés.

 

O Cego

Erik Weihenmayer nasceu em 23 de setembro de 1968, em Princeton, Nova Jersey. Aos 15 meses, ele foi diagnosticado com retinosquise juvenil , uma doença rara semelhante aquela que lamentavelmente afeta a filha do apresentador Tiago Leifert, que  resulta na perda progressiva da visão que o deixou cego aos  14 anos de idade.

Erik Weihenmayer o primeiro cego a escalar o monte Evereste. Foto: Divulgação.

Aos 16 anos, ele começou a usar um cão guia, e com ajuda dos pais  se dedicou às atividades físicas e  tentou escalar rochas. E diante de seus vários êxitos ao desbravar pequenas vias de escaladas, descobriu que possuía um instinto quase sobrenatural para escalar, uma espécie de radar, ou um sentido aranha (uma alegoria mais que justa, pois o Homem Aranha também é escalador de paredes) , sempre usando as mãos e os pés para encontrar apoios., o que fez ele desenvolver de forma extraordinária o seu sentido do Tato.  E assim ele se apaixonou pelo montanhismo e logo já tinha  escalado 3 das 7 mais altas montanhas do mundo.

Weihenmayer e seu cão guia, sempre ao ar livre. Foto divulgação.

A sua primeira grande montanha  foi o monte  Denali, ou Monte Mackinley em 1995. E em 25 de maio de 2001, Erik Weihenmayer, aos 33 anos, se tornou o primeiro homem cego da história a atingir o cume do Monte Everest, literalmente  calando a boca de todos que duvidaram de sua capacidade.

“Eles não viram nenhuma parte da minha vida, exceto o fato de que eu era cego”, afirmou glorioso após tamanha conquista.

 

Reclamação???????

Esse texto foi  pra você que reclama de tudo, prestou realmente atenção nestes relatos?

Vimos três lindas histórias  de superação. E percebemos que nada na vida deve ser temido, apenas compreendido. E reflitam a verdadeira deficiência não está no exterior, e sim dentro de nós.

Por isso meu caro amigo leitor, pare de resmungar , levante-se e reaja. As montanhas estão chamando e nós devemos ir.

 

Para frente e para o alto;

Montanha Brasil.

Confiram a espetacular escalada feita pelos três:

 

 

Marcio do Nascimento Santana, Historiador com formação em Arqueologia, Montanhista e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Cachoeiro de Itapemirim
Ultimas Notícias
%d blogueiros gostam disto: