sáb 2/março/2024 08:18
Pesquisar
Close this search box.
Capa
Geral
Cachoeiro
Política
Oportunidade
Saúde
Educação
Economia
Agro
Segurança
Turismo
Esporte
DiaaDiaTV
Publ. Legal
Mundo Pet
Cultura

Barbuleta

escritoras-cachoeirenses2-07-01-23
Escritoras Cachoeirenses

— Você precisa perdoar as mulheres do seu passado — O conselho da terapeuta ecoava em meus pensamentos, fazendo um barulho insuportável dentro de mim.

Longe de mim discordar, mas, enquanto eu me maquiava, discutia sozinha comigo mesma. A conclusão a que cheguei, juntamente com meu reflexo no espelho, foi:

— Meu problema não é perdão, é prisão.

Bom, talvez eu que precisasse de perdão pelas ocasiões em que minha irmã, minha prima e eu ríamos sem disfarçar das palavras pronunciadas de forma errada por minha mãe e nossas avós, assim como pelas vezes que eu dizia, arrogantemente:

— Ah, eu jamais aceitaria uma situação dessas.

Me lembro das repetições como Jesifon, ou Jefissom, na tentativa de falar Jeferson, e das vezes que pronunciava barbuleta ou brabuleta; silenciava-se por um tempo e conseguia dizer borboleta, mas o nome Jeferson nunca saiu corretamente.

Minha vida era incessante. Todos acordavam tranquilos, enquanto eu já preparava o café, escovava os dentes, acordava o caçula e arrumava a marmita do marido. Ele só precisava deixar os filhos na escola e seguir para o trabalho em seu carro confortável, enquanto eu enfrentava o ônibus. Tenho consciência de que não tenho mais psicológico para tudo que estou fazendo e, embora possa haver outros caminhos, a verdade é que confidenciei à terapeuta a decisão de me divorciar. Olho novamente no espelho, troco o batom claro por um vermelho vibrante e sigo para a terapia. Entro, sento-me confortavelmente diante dela e inicio quase em um desafio:

— Não concordo com você!

A terapeuta apenas sorri, e eu continuo:

— Minha avó paterna não foi à escola, trabalhava duro na lavoura, enquanto seu irmão tinha o direito de frequentar as aulas. Dotada de uma inteligência extraordinária, ela fez um trato com ele: faria os lanches da manhã enquanto ele ensinava o que aprendia na escola durante o trabalho na roça. Assim, ela aprendeu a ler e escrever por dois anos, por isso a dificuldade com palavras simples. Sua inteligência notável deixou-me de presente os melhores conselhos que recebi.

Minha avó materna também nunca foi à escola. Sua voz marcante e alegria de viver faziam parte dos seus dias na lavoura de café, e à noite ela folheava a bíblia, perdida nas letras lindas que seus olhos não reconheciam, até o dia que uma palavra chamou sua atenção e, encantada, ela correu até meu bisavô e perguntou:

— Aqui está escrito Deus?

Ele confirmou curioso, era um milagre. Depois disso, minha avó passou a ler a Bíblia sozinha. No entanto, nunca escreveu uma palavra. Ela recebia cartas, as lia e pedia a um filho ou neto que escrevesse para ela enquanto ela ditava as palavras. Se isso não é uma força de vontade e uma inteligência extraordinária, eu não sei o que é.

Respirei e continuei:

— Minha mãe ouvia do meu avô: “Mulher não precisa estudar.” Mesmo assim, conseguiu dividir seu tempo com o excesso de trabalho infantil e dois anos na escola. Tinha apenas 1,47cm, mas escondia uma força física assustadora. Cresci vendo-a encoberta por uma quiçamba de café, seus pés pequenos descendo o morro, com o objeto preso às costas carregando 120 kg de café. Ainda assim, ela encontrava tempo para ler um romance, à luz da lamparina, sentada no fogão a lenha.

Assim nasci, com uma fome enorme de liberdade e aprendizado, a vontade de mudar o mundo transmitida de geração em geração, e hoje a necessidade de me livrar de um casamento que carrega a ideia de que mulher só pode ser boa se for uma excelente dona de casa. Pouco a pouco percebo que elas foram construindo caminhos para a liberdade e eu vou terminar essa construção. Dois anos depois, um ano de divórcio, a terapeuta me abraça na saída; eu retribuo com um aperto firme e confidencio:

— Estou escrevendo um livro, estou no final.

Ela sorri e, imitando minha avó, diz:

— Use as asas, barbuleta.

Olhei no fundo dos seus olhos claros, sua pele branca e enrugada lembrando minha avó paterna. Sorri e segui confiante. Mais uma mulher extraordinária me ajudava a construir um belo caminho.

Mércia Souza. Descobriu sua paixão pela leitura e escrita aos 12 anos, na casa dos Braga. Atualmente, autora de dois livros publicados e participação em três antologias, também participa de inúmeros projetos de apoio a novos autores e mulheres empreendedoras.
Dengue_olhos

Dengue: oftalmologista alerta sobre caso de estudante que quase ficou cega

Poupança

Espírito Santo é o Estado com melhor índice de poupança do País

PPPiluminação

Parceria de iluminação pública será autorizada na próxima semana

BME

Efetivo de 45 militares retira ocupantes de área pública em Mimoso

Bom Jesus do Norte

Integrante de facção criminosa é detido em Bom Jesus do Norte

idosos_atividades

Anchieta oferece atividades para maiores de 60 anos

ArmaGuaçui

Operação policial prende quatro pessoas e apreende armas e drogas em Guaçuí

Delegacia_Marataízes

ES fecha bimestre com menor número de homicídios em 28 anos

Leia mais