seg 4/março/2024 14:14
Pesquisar
Close this search box.
Capa
Geral
Cachoeiro
Política
Oportunidade
Saúde
Educação
Economia
Agro
Segurança
Turismo
Esporte
DiaaDiaTV
Publ. Legal
Mundo Pet
Cultura
Foto: Betto Barbosa

Mulher do banquinho: a mãe solteira que percorre ruas com bebê a tiracolo

Lilia-barros-05-09-2023
Lilia Barros

Conhecida como a mulher do banquinho, Luci Ezequiel, de 35 anos, ganhou essa marca por causa de sua jornada como profissional manicure e mãe solteira que carrega um banquinho de madeira pelas ruas. O bebê Artur que ia a tiracolo, agora segue de mãos dadas com a mãe, segurando o banquinho.

Sua história de luta e superação começou quando ela descobriu que estava grávida de um homem com quem se relacionou por 11 anos, mas teve que assumir o bebê sozinha e trabalhar para sustentar e educar o menino.

Com o filho de um lado, a bolsa com pão, mamadeira e material de trabalho do outro, um banquinho de madeira na mão, Luci percorreu grande parte das ruas do município de Mimoso do Sul, captando e atendendo clientes. Ela conta que por diversas vezes, em meio ao trabalho, precisou correr com a criança para o hospital.

“Eu morei muito tempo na zona rural, sou de família muito humilde e fazia unhas nas casas das pessoas. Quando vim para cidade comecei a atender de porta em porta, mesmo com meu filho ainda bebê. Eu buscava ele na creche e saía com ele no colo e o banquinho na mão, indo de porta em porta. Nesse período, Artur comeu várias vezes a planta venenosa “Comigo Ninguém Pode“, durante meu trabalho. Não foi fácil, ele era educadinho, ficava sentado, mas já me deu muitos sustos comendo essa planta”, narrou a manicure.

Com o passar dos anos, a clientela cresceu e Luci ganhou fama de mulher do banquinho. “Todos os dias eu saio pela rua afora com meu filho e meu banco, hoje a minha vida se resume em ser uma profissional manicure que também é psicóloga, amiga, companheira e que não tem vergonha de pegar uma bolsa e um pão, botar meu filho do lado e ir trabalhar, correr atrás do meu.”

O menino já está com 12 anos, portanto já tem esse tempo que anda com a mãe de rua em rua, mas agora quem carrega o banquinho é ele. Mesmo já tendo um espaço instalado em casa para atender as dezenas de clientes todos os dias, mãe e filho não abrem mão do banquinho.

“Não tenho hora, é de domingo a domingo trabalhando. Levanto às 6 horas e até o final da noite eu atendo, há dias que trabalho depois do meu horário. Sou uma mulher, mãe solteira sim, mas sozinha nunca. Quero deixar exemplo para o meu filho de quem é honesta e trabalha para ter dinheiro.”

“Nunca pude ter uma babá para meu filho. Nunca vou abandonar o meu banquinho. Tenho 35 anos de profissão e meu filho tem 12 anos que anda comigo. Atualmente ele carrega o banco e eu a bolsa e vamos andando de mãos dadas pela rua.”

Arthur Ezequiel Santana está no 8º ano do Ensino Fundamental e e junto com sua mãe Luci Ezequiel prossegue na jornada de estudos e trabalho, com um sonho na mente e no coração: adquirir a casa própria e sair do aluguel. Será que eles conseguem?

Foto: Betto Barbosa
arte

Cachoeiro promove ações em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Pe_de_Meia

MEC lança Programa Pé-de-Meia no Espírito Santo

pipa2

Soltar pipa passa a ser considerado esporte no Espírito Santo, mas sem cerol

ponte-madeira-03-03-2024

A ponte

interdicao-br-101-viana-03-03-2024

Manifestantes interditam BR 101 por falta de energia

janela-03-03-2024

Quarto de descanso

Dia da Mulher

Retirada das camisetas da Corrida da Mulher será na sexta

Ales

Assembleia Legislativa se prepara para deliberar sobre prisão de deputado

Leia mais