sáb 2/março/2024 20:26
Pesquisar
Close this search box.
Capa
Geral
Cachoeiro
Política
Oportunidade
Saúde
Educação
Economia
Agro
Segurança
Turismo
Esporte
DiaaDiaTV
Publ. Legal
Mundo Pet
Cultura
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Polícia Civil frustra farra dos diplomas falsos para candidatos de concursos públicos no ES

Lilia-barros-05-09-2023
Lilia Barros

Uma minuciosa investigação do trabalho de inteligência da Polícia Civil levou a descoberta de uma série de crimes e irregularidades envolvendo processos seletivos da área da Educação, em prefeituras da Grande Vitória.

Por meio da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor), a PC deflagrou a segunda fase da Operação Falsarius, que investiga fraude de candidatos para contratação de servidores.

A farra, que já dura três anos, envolve diplomas falsos e outros documentos similiares aos originais que eram vendidos a candidatos para conseguirem classificação no concurso mesmo não tendo um curso superior.

De acordo com as investigações, alguns candidatos teriam apresentado documentação adulterada/falsificada, após pagarem até R$ 1,5 mil por um diploma falso, com o objetivo de alavancar suas pontuações, acarretando em melhores colocações no certame, retirando as vagas de direito de outros candidatos.

O delegado Douglas Vieira, titular da Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor), informou que a investigação começou com diplomas falsos, mas acabou se desdobrando para falsificação de curso superior, carimbos falsos, inserção de dados inverídicos no sistema e atestados médicos.

Como parte da associação criminosa, o delegado informou que alguns servidores que atuam nas secretarias compartilharam informações privilegiadas.

“Alguns coordenadores de escolas e outros funcionários, ao saberem dos concursos, entravam em contato com candidatos e ofereciam esses documentos falsos para que conseguissem as vagas, mediante ao pagamento”, disse Douglas Vieira.

79 diplomas

Nesta segunda fase da Operação Falsarius, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão. Já na 1ª fase , deflagrada em dezembro, foram cumpridos onze mandados de busca e apreensão.

Nas duas fases, a polícia apreendeu 79 diplomas falsos, além carimbos de prefeituras e declarações falsas de que o candidato trabalhava em determinado horário.

Os atestados variavam de R$ 20 ou R$ 30, podendo chegar até a R$ 150. Os diplomas de cursos e declarações, variavam entre R$ 70 a R$ 1,5 mil, de acordo com o delegado.

Segundo o delegado Douglas Vieira, durante as investigações, algumas secretarias municipais procuraram a polícia para denunciar as irregularidades; outras no entanto não denunciaram e estão sendo investigadas. A polícia quer saber se elas não perceberam o problema ou se tiveram alguma vantagem para se calarem.

Terceira fase

A partir de agora inicia-se a terceira fase que visa afastar os servidores públicos envolvidos nas transgressões.

De acordo com o delegado, os envolvidos podem responder por crime de falsidade de documento público ou particular, com pena de até seis anos; inserção de dados inverídicos no sistema para ganhar vantagem ou corrupção ativa que pode dar de 2 a 12 anos de prisão.

O delegado finalizou com um alerta a população para não participar desse tipo de fraude porque a polícia vai continuar investigando.

“Tudo era feito em em larga escala a ponto de uma das investigadas dizer: ‘Todo mundo faz, eu fiz também’. A maioria dos candidatos não chegaram a tomar posse das vagas porque a polícia descobriu antes.”

 

Campanha_Dengue

Espírito Santo recebe lançamento de campanha nacional contra a dengue

PM

Idoso é agredido com socos e chutes dentro de casa em Muqui

Cras_Zumbi

Começa nesta segunda programação especial para o mês da mulher em Cachoeiro

governador

Governadores discutem Gabinete de Inteligência no combate à violência

dengue

Cachoeiro realiza Dia D de combate à dengue neste sábado (2)

Acidente

Colisão entre carreta e automóvel mata uma pessoa em Cachoeiro

Primeiro_Comando

Capturado em Cachoeiro integrante de facção criminosa PCC

Dengue_olhos

Dengue: oftalmologista alerta sobre caso de estudante que quase ficou cega

Leia mais