Projeto do Porto Central que será construído em Presidente Kennedy. Foto: Porto Central

Presidente Kennedy dá mais um passo para instalação do Porto Central

Presidente Kennedy dá mais um passo para instalação do Porto Central
Presidente Kennedy dá mais um passo para instalação do Porto Central
Redação Dia a Dia

A Prefeitura de Presidente Kennedy, no Litoral Sul do Espírito Santo, assinou um termo de cooperação técnica com o Porto Central, uma das condicionantes feitas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a instalação do empreendimento no município e que faz parte das diretrizes socioeconômicas.

No documento assinado na última quarta-feira (27), por meio de videoconferência, a prefeitura, governo do Estado, Porto Central, Ifes, Senac, entre outras instituições, irão formar um Comitê de Acompanhamento do Termo de Cooperação Técnica dos programas: PADR – Programa de Apoio ao Desenvolvimento Regional; PMD.- Programa de Mobilização e Desmobilização de Mão de Obra; PCP – Programa de Capacitação Profissional; e PMSE – Programa de Monitoramento Socioeconômico.
Os programas irão facilitar a geração e a disseminação de informações sobre a realidade social e econômica, por meio de políticas públicas estruturadas.

Qualificação profissional

O Comitê irá acompanhar projetos que envolvem qualificação profissional, apoio tecnológico, promoção do empreendedorismo e auxílio a micro, pequenos e médios empresários, além de programas de qualidade ambiental, ações em infraestrutura e serviços públicos.

Dorlei Fontão, prefeito de Presidente Kennedy. Foto: PMPK

O acordo firmado tem também como objetivo intensificar as ações preparatórias que antecedem as obras do Porto Central, destacando o cumprimento das condicionantes socioeconômicas estabelecidas na Licença de Instalação do porto emitida em março de 2018 pelo Ibama.

O Porto Central

O empreendimento em Presidente Kennedy seguirá o modelo do Porto de Roterdã (Holanda). O terminal irá operar diversos tipos de cargas como: granéis líquidos, petróleo e derivados e produtos químicos, granéis sólidos, minério de ferro, carvão, ferro gusa, além de soja, milho, trigo e outros produtos agrícolas, fertilizantes e veículos.

O Porto Central também vai movimentar contêineres. Para tanto, estão previstos 30 berços no terminal. A profundidade vai variar de 10 a 25 metros, o que vai permitir que o porto receba navios de grande porte.

O projeto prevê quatro etapas. O investimento previsto para a primeira parte é de R$ 1,5 bilhão. Para as outras fases, será de cerca de R$ 5 bilhões.

Ultimas Notícias
Ultimas Notícias