sáb 20/abril/2024 05:25
Pesquisar
Close this search box.
Capa
Geral
Cachoeiro
Política
Oportunidade
Saúde
Educação
Economia
Agro
Segurança
Turismo
Esporte
DiaaDiaTV
Publ. Legal
Mundo Pet
Cultura

Vacina da Coronavac será testada em crianças no Estado através do Projeto Curumim

redacao
Redação Dia a Dia

A vacina da Coronavac, do Instituto Butantan, será testada em crianças e adolescentes do do Espírito Santo dentro do Projeto Curumim, desenvolvido por pesquisadores do Hospital das Clínicas de Vitória.

Serão imunizadas 1.280 crianças entre três e 17 anos, e até em 25 dias deve ser iniciada a vacinação e a coleta de sangue para acompanhamento laboratorial da resposta dos dois imunizantes que serão utilizados, informa o secretário de Estado da Saúde Nésio Fernandes em entrevista no último dia 14.

Segundo ele o Projeto Curumim envolve a participação de  pesquisadores da Fiocruz, com o apoio do Instituto Butantan e é de conhecimento do Ministério da Saúde. Serão comparados os efeitos das vacinas da Pfizer e Coronavac.

“A Secretaria de Estado da Saúde  louva a atitude desses cientistas. Temos um novo vanguardismo de nossos pesquisadores capixabas na contribuição para o desenvolvimento de soluções de saúde pública para enfrentar a pandemia”, enfatiza o secretário.

Segundo Nésio tanto o Butantan quanto a Pfizer aportaram vacinas para que o o estudo seja feito. “Entendemos que não é uma fase experimental, mas de duas vacinas que já são aprovadas em diversos países do mundo, seguras, eficazes, que já passaram pela fase 2 e 3 e já veem apresentando resultados muito satisfatórios na redução da morbimortalidade pela Covid-19 em crianças”, pontua.

A coordenadora do estudo, Valéria Valim, esclarece que as crianças vacinadas com a Coronavac serão acompanhadas pelo período de um ano, e que pediatras, infectologistas, pneumologistas, pesquisadores e enfermeiros especializados em vacinas contribuirão durante toda a pesquisa.

“Ao longo desse tempo passarão por testes de imunidade celular e pulmoral durante quatro momentos diferentes”, explica.

Segundo Valéria, a Coronavac é uma plataforma de vírus inativado, é a mais conhecida e a que tem maior segurança. “Isso pode ser importante para adesão de uma parcela da população mais preocupada com segurança”, ressalta.

Ela diz que essa vacina se mostra como promissora e já apresentou resultados na literatura. A conclusão do estudo está prevista  para um ano, mas entre quatro a seis meses os primeiros resultados dos desfechos principais já serão conhecidos, assegura Valéria Valim.

O secretário Nésio Fernandes faz um apelo à população que deseja participar como voluntária do projeto que se sinta segura para aderir ao estudo, para que tenhamos crianças e adolescentes participando de uma pesquisa dirigida e eficaz.

“Queremos verificar a eficácia e segurança dessas vacinas. Nós vamos avaliar também a capacidade dos dois imunizantes de produzir anticorpos e células de defesa”, destaca Valéria Valim.

As informações são de que a Anvisa já se reuniu com o Instituto Butantan para discutir a liberação da CoronaVac para crianças de três a 17 anos, e que a liberação está em fase de avaliação pela Agência. A apresentação do relatório final e votação ainda não tem data marcada.

 

SAIBA MAIS

– Intitulada “Eficácia, Imunogenicidade e Segurança da Vacina Inativada (Coronavac) contra Sars-Cov-2 em Crianças e Adolescentes”, a pesquisa ficou conhecida como Projeto Curumim.  De acordo com a responsável pelo estudo, Valéria Valim, ele se faz necessário “para que a Coronavac possa ser incluída como uma opção de vacina para crianças no Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde Brasil”;

– Até o momento, algumas pesquisas já foram finalizadas, incluindo crianças e adolescentes, e estão em andamento outros 17 ensaios clínicos, utilizando nove vacinas diferentes;

– Segundo Carolina Strauss, pediatra pneumologista e aluna de doutorado no projeto Curumim, a Coronavac é uma vacina inativada, ou seja, o vírus inteiro é morto e, então, aplicado como vacina;

– Efeitos colaterais podem ocorrer, porém leves e de curta duração. Os mais comuns são dor, vermelhidão, inchaço ou coceira onde a injeção é aplicada, cansaço ou indisposição geral, calafrios ou febre, dor de cabeça, dor muscular, dor nas juntas, enjoos e dor de barriga, perda de apetite e suores excessivos. Efeitos colaterais sérios são raros;

– Países como o Chile, o Equador e China já vacinaram as crianças com Coronavac. No Brasil, a vacina da Pfizer já está liberada para o uso em crianças de 5 a 17 anos.

premobras_19_04_24

Premobras anuncia 100 vagas de emprego exclusivas para moradores de Mimoso

Usina_Biometano_Governador_19_04_24_

Espírito Santo vai receber primeira Usina de Biometano para uso industrial e residencial

Corrida_de_São_Pedro_19_04_24

Garanta sua vaga na 44ª Corrida de São Pedro

Ricardo_Ferraço_Mutrião_Mimoso_17_04_24

Ricardo Ferraço quer crédito barato e com muito prazo para setor comercial atingido pela enchente

Rei_dos_Petiscos08_19_04.24.jpg.

Rei dos Petiscos enfrenta dificuldade para se reerguer após temporal em Mimoso

Termina hoje as inscrições para estágio em 8 cursos de graduação no Ministério Público

Termina hoje as inscrições para estágio em 8 cursos de graduação no Ministério Público

Fibromialgia_PCDs_18_04

Pacientes com fibromialgia passam a ter os mesmos direitos de pessoas com deficiência (PCDs)

cachoeiro

Cachoeiro de Itapemirim sedia Inova ES e Feira de Cidades Inteligentes

Leia mais