Produtora de Dores do Rio Preto é destaque em cultivo de rosas

Produtora de Dores do Rio Preto é destaque em cultivo de rosas
Edileuza Morelli é destaque na produção de rosas (Foto: Seag)

Após perseverante busca por conhecimento, Edileuza Vimercati Morelli, uma produtora de espírito empreendedor, está colhendo os frutos do seu esforço: sua primeira produção de rosas. Com a ajuda da família, ela se dedica ao cultivo de 800 roseiras.

Edileuza faz parte do projeto ‘Elas no Campo e na Pesca’, coordenado pela Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag).

No sítio da família Morelli, em Dores do Rio Preto, eles procuram adotar práticas sustentáveis de manejo e tem como base a diversificação da produção. Além do café, principal fonte geradora de renda, e das rosas, eles também possuem cultivos de oliveira, pupunha e banana. Outra atividade que a produtora rural desenvolve é o trabalho com bordados, que aprendeu com sua mãe.

Segundo a produtora, seu primeiro interesse no plantio de flores surgiu quando participou do I Encontro de Floricultores, em Guaçuí, em 2017. A partir dali ela procurou orientação do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), dos escritórios locais de Guaçuí e Dores do Rio Preto, respectivamente, participou de treinamentos do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), e começou a participar das reuniões da Associação de Produtores de Flores e Plantas Ornamentais do Sul e Caparaó-ES (Sulcaflor).

Em 2019 ela participou da 26ª Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas (Hortitec), em Holambra (SP), acompanhando a missão técnica do Sebrae, que busca capacitar produtores de flores e plantas ornamentais do Espírito Santo. Foi, então, que começou a definir o que queria cultivar. Os treinamentos não pararam e ela, com o apoio da família, tenta participar de todos.

Acompanhamento

Hoje, com o acompanhamento do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar, e também do Incaper, ela espera aumentar sua produção de rosas e implantar o cultivo de outras culturas como o tango (Solidago canadenses), a áster (Symphyotrichum tradescantii), o lisianthus (Eustoma Grandiflorum) e, possivelmente, uma espécie para cultivo em vasos.

O marido sempre a incentivou a participar das capacitações, porém uma de suas dificuldades foi conseguir convencê-lo a ceder a área para o cultivo das flores, mas Edileuza conta que ao perceber que ela estava levando o assunto a sério, ele cedeu e agora a ajuda no trabalho no roseiral. Outra dificuldade que a produtora destaca é a dificuldade de encontrar alguns insumos de produção na região, tendo que buscá-los nos grandes centros.

“Começamos com poucas plantas para irmos aprendendo, pois é tudo muito novo. Tivemos o ataque de algumas pragas, mas estamos conseguindo controlar um pouco e mesmo com as perdas estamos conseguindo colher e vender a produção inicial”, completou Edileuza.

Entre para nosso clube de leitores DiaaDiaES.

Cadastre o seu email e acompanhe todo o nosso conteúdo, além de materiais exclusivos a assinantes.

Nos comprometemos a jamais enviar qualquer tipo de spam para sua caixa de entrada.

mersin escort bayan - escort eskişehir - Meritroyalbet - nakitbahis.club - Vippark - winyou.club -

Betexper

-
betsatech.com
- Betgaranti giriş - piabet.biz